Conferência sobre indicadores alternativos ao PIB acontece hoje na OCDE

OCDE

Hoje na cidade de Paris esta sendo realizada no Centro de Convenções da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) a conferência “Para além do PIB – da medição à política eleitoral e políticas publicas” (*).

Nesta conferência será apresentados os resultados finais do grupo de estudos BRAINPOoL, acrônimo do inglês: Bringing Alternative Indicators into policy – Trazendo indicadores alternativos para políticas públicas.

Este grupo é uma parceria colaborativa de 7 organizações “think-tank” de estudos econômicos de diversos países da Europa, organizada pelo programa de pesquisas da Comissão Europeia. Este grupo está dedicado a desenvolver e acelerar estudos para o desenvolvimento e uso de indicadores de ponderação ao uso do PIB e para apoio de processos e políticas de desenvolvimento sustentável na União Europeia.

Nesta conferência, o grupo BRAINPOol apresentará as principais conclusões e recomendações de projeto, focado em como este novos indicadores podem constituir uma agenda de amplo apoio eleitoral, e, ao mesmo tempo, vir a influenciar a elaboração políticas públicas inovadoras e integradas a partir destes novos indicadores.

A proposição será feita a partir de dois conjuntos de políticas: transição para uma economia verde e de uma política de mercado de trabalho voltada para o aumento do bem-estar.

Esta discussão será conduzida por especialistas em um painel internacional de alto nível, reunindo ministros do Trabalho, Políticas Sociais, Meio Ambiente, Economia e demais pastas políticas da União Européia e dos governos nacionais da Itália, Reino Unido e França. O debate será moderado pelo chefe estatístico da OCDE, Martine Durand.

Leia também:

(*) tradução livre de “Beyond the GDP: from measurement to politics and policy”

Dia Internacional da Felicidade 2014: mensagem do Secretário Geral da ONU

Fonte: ONU

Foto: Steffi Loos/dapd
Foto: Steffi Loos/dapd

Os conceitos gêmeos de felicidade e bem-estar apresentam cada vez mais nas discussões internacionais de desenvolvimento sustentável e para o futuro que queremos.

Muitos países estão indo além da retórica da qualidade de vida para incorporar medidas práticas para promover esses conceitos em sua legislação e formulação de políticas. Estas boas práticas podem inspirar outros países a fim de que a medição e contabilização de bem-estar mais amplo, e não apenas a renda nacional, torna-se uma prática universal.

Felicidade pode ter significados diferentes para pessoas diferentes. Mas todos nós podemos concordar que isso significa trabalhar para acabar com o conflito, pobreza e outras condições lamentáveis ​​em que muitos de nossos companheiros seres humanos vivem.

Felicidade não é uma frivolidade, nem um luxo. É um anseio profundo compartilhada por todos os membros da família humana. Deve ser negado a ninguém e disponível para todos. Essa aspiração está implícita na promessa da Carta das Nações Unidas para promover a paz, a justiça, os direitos humanos, o progresso social e melhores padrões de vida.

Agora é a hora de converter essa promessa em ação internacional e nacional concreta para erradicar a pobreza, promover a inclusão social e a harmonia inter-cultural, garantir meios de subsistência decentes, proteger o meio ambiente e construir instituições para a boa governança. Estas são as bases para a felicidade humana e o bem-estar.

Ban-Ki Moon
Secretário-Geral
Organização das Nações Unidas
20 de março de 2014

Leia também:

kits novo2
Peça pelo número seu projeto de arquitetura