Em tempos de crise, uma solução familiar para fugir do aluguel

“Será que é tempo que lhe falta pra perceber?
Será que temos esse tempo pra perder?
E quem quer saber? A vida é tão rara”

(Paciência – Lenine)

A crise e o endividamento da população pressionaram para cima os juros para o contrato de financiamento de habitação. Como a grande maioria da população não tem grande reserva de dinheiro guardado, ficou difícil para muita gente encarar um contrato para ter uma casa própria, pois além de ter ficado mais caro, há o risco de desemprego e o medo de não poder pagar. E como sair desta?

Um pouco de criatividade e boa vontade de rever os planos pode nos dar um norte para que a nossa vida não fique paralisada diante da crise. Então vamos dar algumas dicas para que você reflita as possibilidade de realizar o seu sonho de ter um lar de forma mais acessível, mesmo em tempos de crise.

Que tal construir uma segunda casa no terreno de um familiar?

Neste momento de dificuldade, normalmente a família é o amparo na maioria das vezes, e não pode ser descartada no leque de possibilidades. Vale a pena iniciar uma conversa com os pais, tios ou um familiar mais próximo que tenha um terreno legalizado e verificar a possibilidade de construir uma segunda casa no terreno.

Se você pensa que partir para uma obra é furada, você precisa rever seus conceitos. É um investimento que apresenta várias vantagens reais:

  • Construir e morar numa casa própria significa fugir do aluguel.
  • Não precisa contratar financiamento no banco.
  • Os materiais de construção mais caros e não perecíveis, como tijolos, pisos, louças e acabamentos, poderão ser estocados e comprados aos poucos.
  • A transformação de um imóvel unifamiliar para bifamiliar eleva o valor patrimonial do terreno.
  • Quando a situação econômica melhorar, ambos imóveis se valorizarão bastante ao longo do tempo, tanto para compra quanto para aluguel futuro.

Gostou da ideia? Que bom! Mas antes de partir para a obra você precisa saber alguns detalhes importantes para não jogar dinheiro fora.

Pré-requisitos básicos

first-home-buyer-dreaming-house

  • A construção só tem valor se for feita em terreno registrado com Escritura no Cartório do Registro de Imóveis. Verifique se o seu parente tem tudo regularizado.
  • Para que sua obra não seja multada, toda construção e ampliação de casa precisa ter uma licença de obras na Prefeitura e um projeto de arquitetura assinado por um arquiteto.
  • Em caso de desmembramento de um lote em dois, o projeto de desmembramento também precisa ser aprovado pela Prefeitura.
  • Cada lote tem uma regra própria de ocupação de acordo com a região da cidade, com limites de ocupação, afastamentos e recuos obrigatórios. Depende de um estudo de viabilidade e de consultas à Prefeitura.
  • Ao final da obra, a construção precisa ter uma certidão de Habite-se para ser levada a registro no Cartório. Assim cada imóvel terá uma escritura própria.
  • Cada unidade deverá ter ao final da obra um IPTU e suas próprias instalações regularizadas de água, esgoto, luz, gás, telefone, etc.

Com todas estas informações, agora sim, você pode ir conversar com o seu familiar e refletir sobre isso. Lembre-se que você precisará contratar um arquiteto para dar andamento a todo este processo, desde a viabilidade técnica de construir, como a orientação sobre os processos administrativos junto à Prefeitura.

É um processo que leva tempo para concluir, mas em tempo de crise, a pior coisa é ter pressa. O momento é de caminhar com calma e de controlar as expectativas, pois o dinheiro é curto para fazer tudo de uma vez, podemos seguir um passo de cada vez. O importante é não ficar parado esperando a crise passar.

Leia também:

DÚVIDAS?

Clique no botão e acesse a seção de tira-dúvidas