Índice Anual de Felicidade Percebida: como utilizar a planilha

No dia de ontem foi lançada na fanpage do Arquiteto da Felicidade uma planilha feita no Microsoft Excel com a seguinte proposta: vamos medir o quão feliz foi o ano que passou. A esta planilha se chamou Índice Anual de Felicidade Percebida (Planilha IAFP). muitas pessoas já começaram a utilizar como ferramenta de medição da felicidade.

Mas acho que ficou faltando um tutorial que explicasse de onde saiu estes números e qual a melhor forma de utilizar o número encontrado. Este artigo vai explicar com um pouco mais de profundidade como utilizar a Planilha IAFP e os conceitos adotados.

O que é o Índice Anual de Felicidade Percebida

Imagem

A ideia de criar um Índice é uma tentativa de atribuir um valor absoluto de pontos atingidos para que avaliar se um período analisado foi positivo ou negativo. Assim como os diversos testes comportamentais existentes na internet, era importante que se pudesse criar um sistema de pontos que pudesse medir aspectos relacionados à felicidade.

O modelo em questão pode ser utilizado para medir qualquer período que se deseje relembrar, mas aproveitando que estamos no fim do ano de 2013 e muitas pessoas fazem o balanço do ano, a proposta é que se fizesse um exercício de autoavaliação, isto é, um exame de consciência do que realmente foi satisfatório. Por isso que chamo de Anual.

A Felicidade é um sentimento individual e subjetivo e impossível ser medido através de grandezas absolutas, pois parte de um juízo de valores pessoais. Por isso, adotou-se o conceito de Felicidade Percebida, que significa que o indivíduo tem a liberdade dentro de um sistema de pontos de calibrar e atribuir notas de acordo com suas prioridades e importâncias, de modo que o número represente de forma relativa o resultado de suas escolhas.

Como utilizar a Planilha?

O índice se apoia a partir de um modelo de 8 eixos de atuação de desenvolvimento individual de um ser humano contemporâneo, o que chamo de dimensões do tipo de vida: dinheiro, saúde, educação, trabalho, o conjunto família-amigos-relacionamentos, cultura e lazer, sociedade e meio ambiente. A Planilha IAFP é inspirado nos modelos de medição, dos quais destaco o FIB (Felicidade Interna Bruta) e o Índice Canadense de Bem-Estar, estudados na monografia de pós-graduação em Engenharia Urbana.

Este modelo foi expressado na série de artigos Talentos da Felicidade neste blog. Apesar de tudo, o modelo em questão carece de uma validação científica e deve ser considerado somente um experimento para fins recreativos.

CLIQUE AQUI PARA FAZER O DOWNLOAD DA PLANILHA DO ÍNDICE ANUAL DE FELICIDADE PERCEBIDA

O modelo é uma média ponderada, onde o indivíduo deve conhecer os 8 eixos e atribuir dois dados: grau de importância e nota. Para o preenchimento ideal destes campos, devem ser consideradas duas questões fundamentais na avaliação do ano que passou:

  1. Para calibrar os graus de importância (valores de 1 a 5) você deve responder a seguinte questão: avaliando os 8 eixos, o que foi realmente mais importante na minha vida que levei e decidi valorizar?
  2. Para calibrar as notas (valores de 1 a 10) você deve responder a seguinte questão: qual foi o real empenho e/ou resultado atingido para cada dimensão, dentro de cada expectativa de importância?

Ao final, a planilha soma e faz a média ponderada dos graus e notas e é reduzida em valores percentuais. O resultado final é um valor até 100%.

Imagem
Vista inicial da Planilha IAFP

O que considerar em cada dimensão?

Não é meu objetivo definir de maneira exata o que cada pessoa deve considerar em cada dimensão. As dicas abaixo tem a pretensão de ajudar no entendimento das oito dimensões consideradas para uma melhor autoavaliação.

  • Dinheiro: a medida de importância desta dimensão tem a ver diretamente com a necessidade de obtenção e acumulo de dinheiro, bens e riquezas. Para verificar a real importância é aconselhado considerar a situação social, faixa de renda, compromissos com pagamentos, administração de dívidas, aquisição e venda de bens, lucros, salários, recebimento com vendas, aplicações e resgates, etc. A nota a ser dada deve considerar quanto esforço foi feito para atingir os objetivos de poupança, lucros e saldo de dívidas.
  • Saúde: esta dimensão tem a ver diretamente com o nível de bem-estar do organismo, seja por questões, físicas, mentais ou espirituais. A real importância está geralmente relacionada com o grau de satisfação com o seu próprio corpo, Podemos considerar a questão de controle de peso, taxas sanguíneas, tipos de doenças e a gravidade com a qual deve ser tratada. A nota a ser dada deve considerar aspectos de busca de tratamento adequado, alimentação equilibrada, práticas de exercícios físicos, de meditação e de controle emocional, acompanhamento médico regular, rotineiro ou de emergência, período de tratamento ou internação, se os remédios são tomados regularmente, entre outras sugestões possíveis.
  • Educação: esta dimensão tem maior ou menor importância de acordo com a idade escolar da pessoa. Em via de regra, pessoas mais jovens tendem a dar muito mais importância e gastar muito mais tempo na sua vida em atividades de educação do que os mais velhos, que tem geralmente menos pretensão para voltar para a escola, mas sempre há exceções. A nota a ser dada deve considerar os resultados dos estudos voltados para a necessidade escolar.
  • Trabalho: Este vetor está relacionado muito com o tipo de emprego da pessoa. Há pessoas que amam muito o que fazem e tem uma expectativa elevada quanto ao desenvolvimento, almeja reconhecimento, ascensão profissional e promoções. Mas também há outras que preferem somente fazer o básico, sem paixão, apenas para receber seu salário e ir para a casa. Não cabe a mim julgar as posturas, pois às vezes uma pessoas que dá menos importância a uma dimensão pode estar priorizando outras. A nota vai variar na medida da sua expectativa e com o que foi possível realizar no trabalho para atender este propósito.
  • Família, Amigos e Relacionamentos: a rede social do indivíduo varia conforme as questões particulares. Deve levar em consideração a estrutura e o relacionamento familiar, relações afetivas, amorosas e sexuais da pessoa e a frequência com que se dedica às atividades específicas desta dimensão, de acordo com o grau de satisfação em cada uma delas. A nota deste fator deve levar em consideração o quão satisfatório tem sido o relacionamento, tanto na dedicação aos entes queridos quanto ao afeto recebido, conforme sua especificidade.
  • Cultura e Lazer: Esta dimensão tem a ver com a qualidade do uso do tempo livre. Considera os hábitos e a duração de atividades recreativas, esportivas e culturais feitas neste período de tempo livre, bem como a qualidade e cada atividade em contribuição ao conjunto de dimensões. A nota varia de acordo com a capacidade e frequência com que este uso do tempo livre é preservado e não é contaminado com atividades de trabalho ou limitado por questões de saúde ou outras atividades sobrepostas
  • Sociedade: Esta dimensão considera o engajamento individual em causas de interesse coletivo e/ou humanitário. Leva em conta a importância dada da pessoa como ator e transformador da sociedade, servindo à causa da coletividade com atividades de caridade, militância política e trabalhos voluntários. A nota está relacionada com os resultados que cada tipo de engajamento contribuiu para o atendimento a esta necessidade individual.
  • Meio Ambiente: Este vetor considera a importância da sustentabilidade nos hábitos e nas posturas individuais e coletivas quanto as questões ambientais. Ele varia conforme o grau de instrução e o nível de esclarecimento individual sobre o tema. A consideração do fator ambiental é algo muito recente, por isso o fator de importância envolve varias atitudes que aos poucos vão sendo incorporadas ao cotidiano das pessoas, à medida que a tecnologia e as pesquisas avancem. Exemplos: a reciclagem, reutilização, economia e eficiência energética, uso de materiais renováveis, incentivo ao reflorestamento, consumo de produtos que impactem menos a pressão sobre os recursos naturais, boicote a marcas poluidoras e engajamento político, etc.  A nota é conforme o tipo de atitude incorporada.

O que significa o resultado?

O resultado percentual significa o quanto da meta de felicidade projetada foi atingida e o gráfico de radar indica de que forma você atingiu o resultado. O gráfico de radar é uma representação dos produtos entre nota e grau de importância e foram convertidos para uma escala logarítmica de base 10 que varia conforme estas duas variáveis. Esta forma de apresentação permite concluir que um mesmo valor percentual não é suficiente para comparar felicidades, pois existem formas variadas de se atingir o mesmo resultado, dependendo das prioridades de cada pessoa.

72porcento
Exemplo de quatro de resultados de pessoas com graus de importância e notas diferentes e que obtiveram o mesmo resultado percentual de 72%

O mais importante desta metodologia do Índice Anual de Felicidade Percebida, assim como na vida real, não é comparar as felicidades percebidas, pois elas são aparentes. Entretanto, o método permite buscar soluções para melhorar os seus resultados pessoais na busca de uma felicidade mais equilibrada, que pode ser obtida através de algumas posturas simples:

  1. Reveja as as expectativas! O grau de importância a determinadas partes da vida varia com o tempo. Certas importâncias deixam de fazer sentido em alguma etapa da vida e, consequentemente, seu nível de exigência pode diminuir ou aumentar.
  2. Não devemos cobrar resultados impossíveis! Certas metas não são obtidas unicamente pelo esforço individual, simplesmente porque depende de outras pessoas. Uma nota alta ou baixa deve ser atribuída considerando a sua real capacidade de atingir determinado objetivo e não porque outra pessoa deixou de fazer a parte dela. Entretanto, ajudar outras pessoas pode trazer benefícios para que a sua meta mais arriscada seja realizada
  3. É impossível ser 100%. Ser 100% em todos os quesitos, embora seja matematicamente possível, é irreal, pois a autoavaliação constata que temos limitações de tempo, recursos e de capacidade própria para realizar. Contente-se em ser mais feliz que infeliz.
  4. Nenhuma dimensão pode ser zero. O modelo impõe uma pontuação minima de 10% para todos os fatores mínimos e visto que estamos falando de vida, qualquer vetor que tende a zero significaria “risco de morte”. Somos seres sociais e qualquer resultado zero significaria isolamento em alguma dimensão da vida. Certamente conhecemos casos de morte cuja causa é porque algumas destas dimensões endeu a zero

O principal deste índice é: olhe para trás, reveja suas atitudes e tente mudar sempre suas prioridades. Mas nunca deixe de perceber que temos motivos para sermos felizes e sermos gratos a Deus pela nossa vida.

Seja feliz! Experimente a planilha e depois escreva nos comentários o que você achou.

Anúncios

2 comentários sobre “Índice Anual de Felicidade Percebida: como utilizar a planilha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s